Segunda-feira, 22 de Julho de 2019

O que são os Valores Humanos?

Os Valores Humanos não podem ser obtidos ou mesmo mensurados em um simples texto, e nem fornecidos por qualquer companhia. Não podem ser presenteados por amigos ou comprados no mercado. Constituem, isso sim, uma experiência a ser vivenciada, enquanto saboroso fruto de uma atitude natural, que provém do coração. Por concepção, estes são princípios presentes em todos nós, mas que acabam reprimidos pelo modelo de educação formal quando, ao contrário, deveriam ser desenvolvidos. Fundamentam-se nos ensinamentos de Sathya Sai Baba (23 de novembro de 1926 - 24 de abril de 2011), educador, filósofo e líder espiritual indiano, segundo o qual "o corpo e a mente estão intimamente relacionados, e ambos obtêm sustento do alimento. Por esse motivo, a comida tem impacto considerável sobre o caráter e o destino do indivíduo. Como é a comida, assim é a mente; como é a mente, assim é o pensamento; como é o pensamento assim é o ato. Tudo aquilo que é percebido pelos sentidos constitui alimento."

Qual é a missão do Instituto?

Propagar os ideais da Educação em Valores Humanos, que é estabelecer o caráter ou a excelência humana como o principal objetivo do ensino em todas as escolas, faculdades e universidades. Ser um centro de treinamento de professores e educadores. Estudar e desenvolver continuamente técnicas, metodologias, conteúdo de cursos e planos de aula para ensinar crianças. Disseminar práticas transformadoras de convivência em empresas e órgãos públicos, tendo como base a filosofia do convívio em harmonia, que caracteriza a EVH.

O que quer dizer Educação?

"Educação não é mero conhecimento, é ação. Significa a prática de valores humanos na vida diária, e não são apenas as palavras: Verdade, Retidão, Paz, Amor e Não-Violência. É preciso haver perfeita harmonia entre pensamento, palavra e ação. Deve haver unidade entre coração, cabeça e mãos: estes são os verdadeiros Valores Humanos". A partir desta premissa, o curso de Educação em Valores Humanos propõe-se a trabalhar o conjunto dos atores das escolas - professores, alunos e até familiares - a partir de valores definidores. Cinco palavras essenciais que transcendem a teoria e ganham aplicação real. E comprovam seu poder de fogo na harmonização das relações. A 'Verdade' passa a estar sempre presente, pronta para atender a consciência. A 'Retidão' torna-se visível nos atos praticados. Os jovens passam a fazer aos outros aquilo que gostariam que fizessem com eles, isto é, o bem. A 'Paz' preenche a mente de toda a comunidade escolar. Graças a isso, o 'Amor' encontra o espaço ideal para expandir-se nas mentes e nos corações. O resultado final é que a 'Não-Violência' se manifesta na conduta renovada de professores e alunos, num exemplo do que podemos e devemos ser plenamente, enquanto seres humanos.

Por que apostar na EVH?

Tem sido dito que a educação é 'para a vida' e não se destina somente a 'ganhar a vida'. A educação é o processo de esculpir a personalidade humana. Espera-se que sempre para o bem, para melhor. Jamais para tornar o homem mau, ou pior. Acredita-se que todo indivíduo deve tornar-se mestre de si mesmo, e um rei do seu meio ambiente. Infelizmente, hoje em dia, isto não está acontecendo. Vemos o caos completo e a desintegração no mundo. A raiz do problema é a constante ausência de unidade nos pensamentos, palavras e ações do homem. Para restaurar a sua grandeza, a educação tem um importante papel a cumprir. Ela é o banco onde a nação desconta o seu cheque cada vez que precisa de cidadãos talentosos e honestos. Porém, a educação atual tem feito do homem um escravo dos seus sentidos, incapaz de dominar a si mesmo. Perdido num caos de pensamentos. Assim, o homem de hoje pode desenvolver técnicas que lhe permitam a ilusão de domínio sobre o seu meio ambiente, mas está longe de tornar-se mestre de si mesmo, pois o nosso sistema educacional cuida apenas do desenvolvimento da mente e do corpo, ignorando totalmente o espírito. Necessitamos, então, redirecionar as metas da educação para que o homem seja visto e lapidado como um todo integrado. Para compreender minimamente o mundo e o outro é preciso, antes de tudo, conhecer profundamente a si mesmo.

Sim, é possível transformar!

Considerar o redirecionamento das metas de educação uma tarefa ao nosso alcance, tendo em vista as circunstâncias adversas e o ambiente acelerado da vida atual, com sua suposta falta de tempo, pode parecer algo um tanto quanto utópico. Uma meta inatingível. Alguns professores, ao serem apresentados à EVH, manifestam compreensíveis apreensões. Mas, para nós, estes são medos equivocados, consequência da falta de informação ou da má informação a respeito do Programa de Valores Humanos. O princípio de tudo é mais do que simples: focar a atenção para as metas corretas da educação. Basta aos professores mudar a perspectiva e corrigir a visão sobre o ato de educar. Feito isso, aceito o desafio, imediatamente abre-se assim uma nova dimensão pedagógica.

Compreensão das cinco palavras-chave

Este programa objetiva a compreensão da personalidade humana como um todo. É fundamental entender a energia básica do 'Amor', que é a corrente subjacente de todos os Valores Humanos. Quando esta energia do 'Amor' é traduzida em pensamentos, temos a 'Verdade'. O 'Amor' em ação, leva-nos à 'Ação Correta'. 'Amor' como sentimento dá origem à 'Paz'. 'Amor' como compreensão é 'Não-Violência'. A 'Não-Violência' é a expressão das excelências combinadas de todos os valores da 'Verdade', 'Ação Correta' e da 'Paz'. De fato, ela determina a unidade de toda a existência. A personalidade humana é, então, a manifestação desta unidade em pensamentos, palavras e ações.

Aposta na verdadeira educação

Todo educador, desde tempos imemoriais, tem enfatizado que a verdadeira educação deve conduzir à construção do caráter do estudante. Em verdade, declara-se que "o fim da educação é o caráter". A palavra "caráter" tem sido definida de várias formas, por vários especialistas, filósofos e educadores. Na filosofia da EVH, o caráter é visto como a "unidade entre pensamento, palavra e ação". Não pode haver dúvida, então, de que o fim do processo educativo deve ser a "integração do homem". Este fato, infelizmente, vem sendo ignorado pelos planejadores dos sistemas de ensino. O resultado é um mundo à beira da total desintegração. Quem não fala bem consigo não se comunica bem com os outros. Tampouco colabora para uma convivência harmoniosa.

O papel estratégico do professor

O professor é o farol que deve guiar e liderar. Se falha em sua função de iluminar, muitos naufragarão nas rochas. Ele deve ser vigilante e sábio para que os corações tenros e livres das crianças sejam tratados com grande cuidado e de uma forma reverente. É dito com muita propriedade: "Assim como o mestre, assim são os pupilos". Quando o coração do mestre está cheio de bondade, altruísmo e amor, os alunos expressarão essas virtudes em cada um dos seus atos. "Quando experimenta a energia de amor, o professor sente uma alegria interna enorme. Desperta e passa para o aluno o sentimento que tem dentro de si. Quando chega em sala de aula, dá atenção, doçura, respeito... Pois, somente somos capazes de dar ao outro aquilo que temos dentro de nós", pontua o diretor do Instituto de Educação em Valores Humanos, Gonçalo Medeiros. Professores são como mães. Uma vez um professor disse a seu aluno: "Enquanto eu viver, você não será órfão de mãe". Os pais confiam seus filhos aos mestres nas escolas, acreditando que eles são capazes e estão interessados em orientá-los e ensinar-lhes habilidades e costumes que os ajudem mais tarde a resistir aos sofrimentos e tentações do mundo. O fardo dos educadores é, portanto, bem pesado. Quando uma criança precisa de ajuda, corre para os seus pais; quando os pais precisam de ajuda, recorrem ao professor. Por isso, este deve ser mais do que um pai para a criança. Deve se ocupar para além do conteúdo pedagógico, isto é, com a saúde física, mental e moral da criança.

O papel fundamental dos pais

É importante considerar primeiro o seu papel. Cada criança é uma página em branco, na qual os pais e professores devem esculpir uma imagem do que ela realmente é, uma semente que deve ser ajudado a florescer em toda a sua glória. Para nutrir valores da humildade e serviço amoroso ao próximo nas mentes das crianças, os pais têm de executar um papel importantíssimo. Eles devem ter fé nas verdades básicas da vida. Devem ser vistos sentados em silêncio, desculpando os lapsos dos outros, compadecendo-se da dor e da tristeza alheias. Eles não devem ser vistos pelas crianças como pessoas ansiosas, desamparadas e descontentes, sofredoras e desprovidas de fé. Se os pais são inclinados a serem indulgentes em excesso e a darem liberdade excessiva, devem se considerar os maiores responsáveis por arruinar o caráter dos filhos. Em verdade, devem oferecer exemplos de honestidade, controle dos sentidos e disciplina. O conhecimento pode ser ministrado pelo professor, mas a disciplina, o rigoroso controle dos sentidos e o comportamento da criança devem ser administrados pelos pais. Mesmo enquanto as mentes ainda são tenras e seus corações imaculados, elas devem ser treinadas para purificar e suavizar os pensamentos, palavras e ações. As crianças aprendem através do exemplo. Assim, os lares nos quais crescem, bem como todos os lares, devem ser puros e com vibrações livres de ódio, inveja, cobiça, despeito e hipocrisia. Os pais cujo comportamento e conduta são contrários ao que é falado e ensinado aos seus filhos, criam uma tempestade de dúvidas, uma dicotomia crescente nas mentes das crianças.

Metodologia: como colocar a EVH em prática?

> Integração de VH no Texto Curricular Sugere-se que em todas as matérias dadas em aula (Línguas, Matemática, Ciências, Estudos Sociais e outras), os valores estejam implícitos nos vários tópicos. O professor é encorajado a tentar extrair os aspectos de valores destes assuntos, que tenham a ver com a nossa vida diária . Através disso, cada classe da escola se tornará uma classe de EVH. > Integração de VH no Trabalho Co-curricular Abrange todas as atividades externas à sala de aula, tais como jogos, debates, dramatizações, e muitas outras ações co-curriculares que existem em qualquer escola. A ideia básica é que todas estas atividades sejam orientadas pelos valores, de modo que tais princípios da EVH possam ser ministrados em todas elas. > Técnicas Pedagógicas Diretas A EVH recomenda o uso de cinco técnicas de ensino extremamente simples, mas muito poderosas nas suas aulas. São elas: sentar-se em silêncio, citações, cantar em grupo, contar histórias e atividades em grupo (jogos de motivação, jogos de faz-de-conta e testes de desenvolvimento de atitudes). Estas cinco técnicas podem ser integradas em uma classe regular e podem ser utilizadas como lições independentes para classes exclusivas (uma ou duas vezes por semana) de Educação em Valores Humanos. A eficácia dessas ações tem sido avaliada em milhares de escolas em todo o mundo e tem sido comprovado que elas produzem mudanças notáveis na qualidade da educação e no caráter dos alunos. Mas a condição básica para este êxito é o compromisso e a dedicação do professor.